Termoformagem ou Termoformagem

O processo de termoformagem sofreu uma evolução muito importante, paralelamente ao desenvolvimento de novas tecnologias e às crescentes exigências do mercado.

O mercado europeu difere em certos critérios de conceção e na utilização de materiais em relação aos utilizados nos mercados americano ou asiático.

Por exemplo, a utilização de películas rígidas de PVC como matéria-prima para o fabrico de embalagens é perfeitamente aceite no mercado asiático, mas não é aceite no mercado europeu devido às normas ambientais. Por este motivo, existe atualmente uma grande variedade de máquinas de termoformagem de diferentes marcas comerciais que se adaptam a todos os processos exigidos pela indústria.
Assim, é possível dispor de uma máquina que se limita a fabricar um recipiente de forma semi-automática ou de uma única termoformadora que, para além de termoformar automaticamente o filme de polímero rígido, o enche com o produto a comercializar, corta-o à medida, rotula-o e embala-o, deixando-o pronto para a distribuição.

Atualmente, esta tecnologia de embalagem por termoformagem é aplicada em áreas tão variadas como a farmacêutica, os produtos não alimentares e os produtos alimentares, com um campo de aplicação tecnológica muito vasto, dadas as diferentes versões em função da necessidade a satisfazer.

Na embalagem termoformada de alimentos, os produtos que eram tradicionalmente embalados em latas de metal ou frascos de vidro estão agora a ser embalados em recipientes termoformados.

O desenvolvimento tecnológico do processo e das máquinas de termoformagem permite a utilização de novos materiais com propriedades especiais de barreira que impedem que o produto embalado seja afetado por atmosferas indesejáveis, ou que possam suportar processos de esterilização, proporcionando novas soluções para um mercado em crescimento.
É necessário estar preparado para novas aplicações desde a sua conceção mecânica, química e estrutural, bem como aplicar o design para obter uma estética inovadora.